Metrô em ritmo acelerado em Salvador

Trem se aproxima de estação no Metrô de Salvador
Trem se aproxima de estação no Metrô de Salvador

Rapidez em Salvador é sinônimo para as obras do metrô, que se tornou, depois de um início lento, caso de referência em celeridade no país graças a um modelo de negócios. De quatro estações e seis quilômetros de extensão em 2013, a Linha 1 já dobrou de tamanho. Além disso, quase 80% das obras da Linha 2, iniciadas em 2015, estão concluídas. Até o fim de 2017, serão 20 estações e 32 quilômetros, somadas as duas linhas.

O sucesso se deve ao modelo de Parceria Público-Privada (PPP) assinado em outubro de 2013 pelo Grupo CCR com o Governo do Estado da Bahia. Pelo contrato de 30 anos de duração, a concessionária é a responsável pela implantação, operação e manutenção do sistema metroviário de Salvador e Lauro de Freitas, mas não é remunerada pela obra. A contratada não ganha com a construção e recebe somente com as estações prontas para operar.

"Ora, se a nossa remuneração vem do passageiro transportado, qual é a única chance que temos? É fazer a obra no prazo mais curto possível. Esse é o segredo. E não é de qualquer jeito. É fazer no menor tempo possível da melhor forma possível, porque não podemos simplificar a construção, considerando que durante 30 anos somos nós que vamos dar a manutenção e operar o equipamento", diz o presidente da CCR Metrô Bahia, Luís Valença.

Quando a concessionária assinou o contrato e assumiu a gestão do Metrô de Salvador no fim de 2013, deparou-se com um cenário de uma novela que já se arrastava havia quase 13 anos. Tratava-se de um sistema metroviário inacabado e inativo, com uma Linha 1 composta apenas pelas estações Lapa, Campo da Pólvora, Brotas e Bonocô.

Em menos de dois anos, a Linha 1 foi ampliada de seis para 12 quilômetros, com quatro novas estações: Acesso Norte, Retiro, Bom Juá e Pirajá. E as obras de construção da Linha 2 na parte central da avenida Paralela, com 12 estações em uma extensão de 20 quilômetros até o aeroporto, já estão 80% concluídas.

O primeiro trecho da Linha 2, da estação Acesso Norte à estação Rodoviária, será concluído até o fim deste ano. A previsão é que a obra esteja 100% concluída até o fim de 2017, com direito a 12,5 quilômetros de ciclovia e pista de corrida, com o propósito de tornar o canteiro central da avenida Paralela uma área de lazer, ciclismo e prática de atividades físicas.

Atualmente, o Metrô de Salvador transporta 51 mil usuários por dia, rumo a 100 mil com a ampliação da integração urbana e metropolitana. A estimativa é que, com o início da operação do primeiro trecho da Linha 2 até a estação Rodoviária, no fim deste ano, o número ultrapasse 100 mil passageiros por dia útil, quantidade que vai crescer de forma exponencial após a conclusão da Linha 2.

"Ao final de 2017, chegaremos a 500 mil passageiros por dia, podendo chegar a 600 mil, 700 mil nos próximos anos. Não há nada que impeça que isso aconteça", projeta Valença.

O Metrô de Salvador tem duas novas expansões previstas. Isso fará da capital baiana a terceira maior rede de metrô do Brasil, com 23 estações e 41 quilômetros.

integração
O Metrô de Salvador é o eixo estruturante do sistema de mobilidade urbana integrado a outros modais. "A integração dos sistemas de transporte urbano é fator de ganho social, econômico e de qualidade de vida, com ampliação da infraestrutura de mobilidade urbana e elevação da qualidade do serviço a partir do Metrô de Salvador, pois o sistema permite a integração com os ônibus", diz Valença.

O QUE É QUE A BAHIA TEM NO TRILHO DO METRÔ

ESTAÇÃO PIRAJÁ
A 11 minutos, de carro, fica a Paróquia São Bartolomeu, ponto de chegada do Fogo Simbólico que celebra anualmente a Independência da Bahia.

ESTAÇÃO BOM JUÁ
Tombado pelo Iphan em 2003 numa área remanescente de mata atlântica com 15,5 hectares, o centenário terreiro de candomblé Bate-Folha Mansu Banduquenqué é um dos mais antigos em atividade no país.

ESTAÇÃO RETIRO
Famoso pela sede do Ilê-Aiyê, primeiro bloco afro do país, o Curuzu fica a seis minutos, de carro. No bairro há ainda o Terreiro Hunkpame Savalu Vodun Zo Kwe, que se tornou este ano o primeiro a ser tombado como Patrimônio Cultural de Salvador.

ESTAÇÃO ACESSO NORTE
Uma badalada atração gastronômica está a dois quilômetros: o Paraíso Tropical, restaurante de frutos do mar famoso pela cozinha autoral do chef e proprietário Beto Pimentel.

ESTAÇÃO BONOCÔ
A lápide do cantor Raul Seixas, morto em 1989, encontra-se no Cemitério Jardim da Saudade. Para chegar lá são 20 minutos de caminhada ou 14 minutos de ônibus.

ESTAÇÃO BROTAS
Inaugurado em 28 de março deste ano, o Centro Olímpico de Natação da Bahia fica nas redondezas, a apenas quatro minutos, de carro.

ESTAÇÃO CAMPO DA PÓLVORA
Basta uma caminhada de cinco minutos para chegar à Arena Fonte Nova. Perto há o Dique do Tororó, lago natural com oito esculturas de orixás flutuando no espelho d'água.

ESTAÇÃO LAPA
Uma caminhada mais completa, a partir da avenida Sete, proporciona um roteiro turístico, cultural, histórico e gastronômico: Mosteiro de São Bento, praça Castro Alves, Espaço de Cinema Gláuber Rocha, Pelourinho, Elevador Lacerda e Mercado Modelo.