Escolas de culinária criam cursos para atrair quem já sabe cozinhar

Mães com Estilo - Mãe Gourmet - Estúdio Folha

Aulas enfatizam um único ingrediente e ajudam a levar clássicos da cozinha para o dia a dia

Quem gosta de cozinhar está sempre atrás de inovação. Seja no preparo de receitas surpreendentes, seja no aprendizado de técnicas elaboradas. Atentas a essa demanda, as escolas de culinária têm portfólio de cursos amplo para atrair quem já se aventura com as panelas. Dá para aprender de tudo: de design de bolos a cuscuz, de empanadas argentinas a macarons franceses.

Há mais de 30 anos no mercado, a Escola Wilma Kövesi de Cozinha, em Pinheiros, tem cursos para todos os níveis de conhecimento. Em comum, as mães -em geral, mulheres profissionalmente ativas- chegam com o objetivo de incrementar a comida do dia a dia.

Segundo Betty Kövesi, diretora da escola, elas começam por uma área de maior afinidade, como massas, e depois se arriscam em algo complexo ou específico.Não raro, se animam com os resultados e partem para um curso de longa duração.

"Em algum momento, essa mulher percebe que sabe executar muito bem e busca o curso de técnicas", diz Betty.

Para atender a esse perfil, a escola investe em aulas de equipamento, como "Facas - Afiação e Manejo" (uma aula, R$ 280), e direcionadas para um único ingrediente.
Nessa linha, a programação dos próximos meses inclui "Pupunha - 5 Versões Curiosas" (uma aula, R$ 230) e "Ovos - Técnicas de Cocção" (uma aula, R$ 220). Mas sem esquecer dos clássicos: "Cozinha Francesa" (uma aula, R$ 240) e Cozinha Espanhola (três aulas, R$ 660).

Lourdes Spinola, 60, tradutora e intérprete, é uma aluna frequente da escola. Depois de fazer vários módulos na última década, ela se dedicou, no ano passado, a um curso de longa duração e nível avançado. Chamado de "Objetivo Chef", ele ensina técnicas durante um ano inteiro -a próxima turma será em 2017.

"Sou uma curiosa que gosta de cozinhar no fim de semana. E, com o tempo, quis saber os fundamentos", disse ela, mãe de dois filhos adultos que adoram comida italiana.

Com cerca de cem cursos livres na área de gastronomia, o Senac São Paulo atrai alunos atrás de profissionalização -interessados, por exemplo, em "Formação de Sommelier" (144 horas, R$ 4.550)-, mas atende também à demanda de amadores.

Segundo Gisela Redoschi, coordenadora da área de gastronomia do Senac-SP, entre 60% e 70% dos que procuram os cursos livres querem se aprimorar no fogão de casa. "A culinária não é mais uma obrigação do dia a dia, está ligada a uma noção de prazer e de carinho", afirma.

Enquanto a confeitaria responde pelos cursos mais procurados -"Bolos e Tortas" (30 horas, R$ 975) e "Cake Design" (48 horas, R$ 1.506)-, as novidades da programação enfatizam a culinária internacional. O "Cardápio Espanhol" (20 horas, R$ 866) aborda a cultura alimentar de quatro regiões do país,destrincha os principais ingredientes,ensina a preparar entradas, pratos principais e sobremesas e a harmonizar as bebidas.

Para o próximo ano, o Senac-SP quer aulas com ares de laboratório gastronômico, para ensinar, entre outras técnicas, a fazer emulsões. Afinal, como lembra Gisela, os gourmets gostam de receber e impressionar.

Publicidade