Aposte no 'faça você mesmo'

Mães com Estilo - Mãe Gourmet - Estúdio Folha

Quem se arrisca a decorar ou reformar por conta própria precisa aceitar as imperfeições

Em tempos de crise econômica, uma boa saída para renovar algum cantinho de casa é colocar a mão na massa. Segundo o Google, as buscas por soluções do tipo "faça você mesmo" dispararam nos últimos meses no Brasil. Levantamento feito a pedido do Estúdio Folha revela os seis "como fazer" mais procurados em 12 meses: tapete de barbante, almofadas, abajur, porta-retrato, armário de cozinha e textura em parede.

Mães com Estilo - Mãe Gourmet - Estúdio Folha

A jornalista Chris Campos, colunista de criatividade no programa "Decora", do canal pago GNT, ensina DIY ("do it yourself", ou "faça você mesmo"). Ela diz que, apesar de a crise impulsionar esse tipo de atividade em casa, nem só isso explica a força dessa tendência. "Tenho percebido três movimentos: quem procura soluções mais baratas, quem busca um hobby e aqueles que se interessam pela reciclagem, aproveitando um material que já está sobrando em casa", diz Chris.

Independentemente do motivo, fato é que hoje está mais fácil se arriscar com as marteladas e os pincéis. O YouTube, por exemplo, tem vídeos com tutoriais sobre tarefas para decorar ou reformar a casa. A rede social Pinterest tem referências e fotos de passo a passo.

Os sites de lojas e fabricantes de material de construção também trazem dicas. A Leroy Merlin, por exemplo, tem um canal que ensina a instalar prateleiras ou aplicar papel de parede. Já a Telhanorte investe em vídeos para ajudar a comprar tintas. A pintura, aliás, é considerada uma porta de entrada para a bricolagem; mexer em fios elétricos, para montar uma luminária, por exemplo, é considerado nível avançado.

Fácil ou difícil, o importante, lembra Chris, é entender que dificilmente seu produto vai ficar igual àquele feito por um profissional experiente. "Tem que buscar o prazer e enxergar beleza nas imperfeições", afirma.

Publicidade