Boas escolas preparam para o vestibular durante todo o ensino médio

Alberto Rocha/Estúdio Folha

Somente neste fim de ano, cerca de sete milhões de estudantes espalhados por todo o Brasil preparam-se para concorrer a uma vaga nas universidades públicas. A concorrência é grande e o sucesso nessa empreitada depende, mais do que tudo, de um planejamento de estudo estruturado em longo prazo.

Segundo os especialistas, alunos advindos de colégios que organizam todo o conteúdo do ensino médio com vistas ao vestibular têm muito mais chances de serem bem sucedidos. Afinal, são três anos de conhecimentos articulados que propiciam um aprendizado gradual - o que permite, inclusive, um período de tempo para revisão de conteúdo e para apostas aprofundadas em temas com maior probabilidade de serem cobrados nas provas.

No Sistema COC - que tem mais 450 escolas e 200 mil alunos espalhados pelo país - tanto o aprendizado como as avaliações são graduais. Para que os alunos se sintam "ambientados" ao clima de vestibular, os simulados começam no primeiro ano, com número de questões e tempo de duração da prova reduzidos. O tamanho da prova e o período para resolvê-la crescem de forma gradual.

Formato gradual e suporte tecnológico

"Nosso objetivo é preparar o aluno de forma ampla, considerando os âmbitos físico, intelectual e psicológico", explica Roberto Tatsuya Saito, coordenador do ensino médio do COC Vila Yara, localizado em Osasco. "Precisamos preparar o aluno para testar seus conhecimentos ao mesmo tempo em que o ajudamos a ter resistência para suportar o desgaste físico", completa.

É somente no segundo ano que o estudante passa a resolver cem questões em provas com cinco horas de duração. Um formato bem similar ao da Fuvest, em que os inscritos têm o mesmo tempo para resolver 90 questões que abarcam todo o conteúdo do ensino médio.

E o processo não termina na realização dos simulados - em média três por bimestre. Todos os alunos recebem um boletim com a análise de desempenho por prova. O documento permite que ele perceba quais são as suas potencialidades e suas fragilidades e, a partir disso, adeque sua grade de estudos para os itens que merecem pouca, média e muita atenção.

O que pode ser feito com o auxílio de outras ferramentas. Referência em tecnologia educacional, o COC oferece o simulado on-line, uma sessão no portal em que o aluno pode construir um simulado a partir de vestibulares de anos anteriores, com questões de diferentes provas. Além de compor como quiser, ele pode escolher a forma em que vai praticar, podendo fazer com contagem regressiva de tempo ou com cronômetro.

Dicas práticas

No dia anterior às provas, no entanto, é hora de desacelerar e lembrar de atitudes importantes e que podem fazer com que o nome apareça ou não na lista de aprovados. A mais básica é chegar com antecedência ao local de prova. "É melhor ficar entediado esperando começar do que chegar esbaforido com medo de encontrar o portão fechado", brinca o professor Roberto.

Uma vez com a prova em mãos, vale começar, sempre, pelas disciplinas em que o estudante tem maior afinidade. O sucesso de uma prova está ligado à confiança. Se o vestibulando sabe as questões iniciais, adquire confiança para responder o restante das questões.

E, por fim, o aluno nunca deve retornar às questões que já respondeu com confiança. Um segundo olhar pode fazer com que o estudante desconfie de seu próprio conhecimento e troque a resposta certa pela errada. "A prova não está fácil porque é fácil, mas porque você estudou. Se você achou que aquela resposta é muito simples, é porque você sabe, não porque é fácil. Confie no que aprendeu", finaliza o educador.

Publicidade
Publicidade