VLT Carioca é o símbolo da renovação do centro do Rio

VLT Carioca
VLT Carioca

Estrela da renovação da área central do Rio de Janeiro, o Veículo Leve sobre Trilhos é a reencarnação moderna dos velhos bondes, tendo rapidamente se tornado ponto turístico em uma cidade que se destaca pelas atrações a cada quarteirão.

Depois de dois anos de obras, o VLT foi inaugurado em junho de 2016 para conectar pontos de fluxo intenso do centro à região revitalizada do Porto Maravilha. Com linhas arrojadas e eficiente, a tecnologia do VLT ganhou o coração e os olhos do carioca.

Com um sistema APS (Alimentação Pelo Solo) que capta a energia de um terceiro trilho, que fica entre os rolamentos do trem, o modal não polui visualmente o cenário maravilhoso do Rio porque não precisa de fiação aérea para funcionar. É o primeiro veículo da América Latina que funciona totalmente sem catenárias, como são chamados os cabos que captam energia e alimentam ônibus ou bondes em fios suspensos.

Além da captação inovadora, supercapacitores instalados no teto do VLT armazenam a energia e a regeneram quando o veículo freia no percurso, permitindo que ele percorra trechos sem energia se necessário.
O trem também poupa os usuários e a população da poluição sonora, uma vez que seu deslocamento é silencioso. Mais confortável e seguro, possui três mecanismos de freio: um mecânico, outro a motor e um terceiro de emergência.

De olho na acessibilidade, o diretor de operações do projeto, Augusto Schein, diz que essa foi uma preocupação na construção de toda a estrutura. "O sistema conta com paradas niveladas, dotadas de rampas suaves e antiderrapantes que facilitam o acesso de pessoas com deficiência. Cada plataforma tem entrada nas extremidades e é dotada, em toda sua extensão, de faixas em alto relevo que facilitam a locomoção de pessoas com deficiência visual", declara.

OPERACIONALIDADE
Implementado em junho de 2016 no Rio de Janeiro, o VLT operará com funcionalidade plena já no ano de 2017, totalizando 28 km de trilhos e 31 paradas. Com fluxo aproximado de 300 mil passageiros por dia, o trem foi feito para conectar seus usuários a outros meios de transporte.

A estrutura foi projetada para se integrar a diversos outros meios que operam na cidade, como a estação de trem Central do Brasil, linhas convencionais de ônibus e metrô, o teleférico do morro da Providência e as barcas que conectam o centro do Rio a Niterói.

A inauguração da primeira linha, que vai da rodoviária ao Aeroporto Santos Dumont, passando pelo centro, já otimizou o transporte de turistas e de visitantes que vieram para os Jogos Olímpicos na cidade. Com capacidade para 420 passageiros, hoje há 17 VLTs em operação -serão 32 na operação plena. O tempo de espera entre um e outro varia de 8 a 20 minutos (será de 3 a 15 minutos).